Advogado Trabalhista

ADVOGADO TRABALHISTA

O advogado trabalhista, no que diz respeito à sua formação, é aquele que graduou-se na faculdade de direito após cerca de 5 anos de estudo, especializou-se em uma área e conquistou a inscrição na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que é alcançada a partir de uma prova bastante conhecida por seu alto nível de dificuldade. Outras possibilidades de estudo, formação, especialização e experiências vão marcar a particularidade de cada advogado, e sempre, quanto mais experiência e conhecimento ele tiver, melhor para o seu cliente.

Um advogado trabalhista pode atuar tanto em favor de um trabalhador quanto em favor de uma empresa, pois ele é o profissional que se especializa na legislação específica voltada às questões do trabalho, e essas questões dizem respeito a ambas as partes. Nem todas as situações em que um advogado trabalhista atua dizem respeito à disputa individual de um funcionário que entende que teve seus direitos lesados pela instituição na qual trabalha ou na qual trabalhou. Tudo o que diz respeito à legislação trabalhista e apresenta alguma possibilidade de ambiguidade, demanda regulamentação ou esclarecimento e orientação quanto aos formatos possíveis de adaptação das necessidades na relação entre empresa e funcionários pode demandar a presença de um advogado.

Por isso, o advogado trabalhista precisa ser altamente especializado e competente em sua área de atuação. A própria estrutura legislativa que nos rege demanda recorrentes ações intermediadas pela justiça para que se estabeleça de forma segura e correta. Essa situação é mais complicada do que parece, particularmente em casos de conflito de interesses. Em uma situação, por exemplo, de assédio moral, não existe prova material dos acontecimentos. O autor da ação dificilmente irá assumi-la espontaneamente e testemunhas raramente se arriscam à exposição por receio de acabarem tão prejudicadas quanto a vítima, e isso é verdade particularmente no ambiente de trabalho. É para tornar efetivo o direito da pessoa em ter sua dignidade resguardada e, quando já ocorrida a negligência, em ser ressarcida pela justiça, assim como para que o autor da infração seja punido, que o advogado existe.

Para lidar com uma situação como a citada, assim como outras de natureza legal, o profissional em advocacia precisa ter experiência, segurança em suas ações, amplo conhecimento da legislação, estratégias de ação e oratória. Muitos casos de irregularidade legal permanecem sem a devida resolução para quem foi lesado devido à ausência de uma boa defesa, capaz de demonstrar irrevogavelmente a veracidade do acontecido e exigir que a lei se cumpra. Justamente por ter as habilidades mencionadas, o advogado trabalhista busca sempre as saídas mais econômicas e menos desgastantes para as partes, de modo que a situação se resolva da forma mais ponderada e positiva possível para todos. Ouvir, dialogar e buscar os caminhos a partir do material humano em relação com a lei é a tarefa desse profissional, que carrega a grande responsabilidade de possibilitar ou não a concretização do direito ameaçado ou ferido de um cidadão.

O advogado também é uma figura essencial para aquele que é considerado o autor da ação ilegal, para evitar que incorram abusos da outra parte, afinal, situações de conflito costumam ser marcadas pela irracionalidade. Algumas das situações vivenciadas pelo trabalhador que podem demandar a atuação de um advogado trabalhista são:

– Irregularidades na assinatura da carteira de trabalho;

– Instituições e cargos fraudulentos;

– Irregularidades na demissão;

– Jornadas de trabalho abusivas;

– Condições de trabalho prejudiciais à saúde física e mental do empregado;

– Assédio moral;

– Irregularidades no pagamento.

Essas e outras ações chegam ao advogado trabalhista através da demanda do trabalhador, ou mesmo de um grupo de trabalhadores, de um sindicato ou órgão fiscalizador. Uma das grandes dificuldades de que certas situações cheguem até o advogado trabalhista é a falta de conhecimento dos próprios trabalhadores quanto aos seus direitos, ou mesmo a condescendência deste com o desrespeito a esses direitos, devido ao convencimento pelo empregador de que eles estão em uma situação de vantagem. Além de ser uma forma ilícita de relação trabalhista e, com certeza, pouco vantajosa ao trabalhador, por tratar-se de situações irregulares e sem segurança de retorno por via legal, mesmo que a persuasão do empregador o tenha convencido do contrário, ambos podem ser processados por um órgão fiscalizador pelo descumprimento da lei. Para todas essas e outras situações trabalhistas, existe o advogado do trabalho pronto para alinhar a situação.